VIAGEM DE VERÃO EM DIRETO 2015 | RUMOS DO SUL - DIA 2


05.15h ATERRAR JÁ NOUTRO CONTINENTE

Com um embarque sem problemas começámos esta Viagem de Verão em Direto 2015, rumo ao sul com a TAP Air Portugal.

Sendo o nosso destino a muito brasileira (e muito ignorada, nesta viagem) metrópole São Paulo, o voo foi feito de forma muito tranquila e bastante serena, com um serviço de excelência conforme é hábito desta companhia. Uma refeição bem portuguesa (por sinal bastante boa ... obrigado TAP) um filme, um ballet (o lago dos cisnes por Alexander Ekman dançado pelo Balet Nacional da Dinamarca ...  por sinal sublime), um sono e um pequeno almoço consequente, depois aterramos em Guarulhos.

Mas para já o plano é mudar de terminal e vaguear por um aeroporto pouco mais que deserto com o objetivo da nova porta de embarque que nos irá conduzir a Buenos Aires.


08.00h ESCALA NOUTRA CULTURA

Não fora todos os episódios caricatos e nada desta escala teria história para contar ... mas tem!

Assim que saímos do avião encontramos de forma bastante eficiente e que muito nos surpreende um "aeromoço" de terra que nos pergunta (a nós bem como a todos os passageiros) se estamos em trânsito ... como estamos ele pede para ficarmos com ele e não seguirmos. Assim fazemos. Ora depois de esperarmos todos o avião esvaziar e de se perceber que não há mais passageiros em trânsito somos todos os que nos juntámos encaminhados para o corredor principal e para uma fila para o terminal três ... até que chegam duas "aeromoças" que depois de estar tudo na fila explicam que afinal aquela fila é só para algumas companhias (neste caso a nossa não estava nessas companhias) ... e que as outras pessoas têm de ir procurar então nos quadros electónicos onde se devem dirigir ... sendo imediatamente contrariadas pelo tal "aeromoço" que nos diz que não, que ali é para todas as companhias ... e a confusão instala-se. Nós, depois de alguma hesitação, decidimos rumar por nós próprios e em vez de confiar em "aeromoças" ou "aeromoços" confiar nos quadros electónicos do terminal. E seguimos o nosso caminho.

Chegando à porta de embarque é com muita alegria que vemos que esta tem um Starbucks, o que obviamente nos deixa bastante entusiasmados, ou não fossem 9 da manhã de Portugal (5 da manhã de São Paulo). Dirigimo-nos e percebemos que estava semi aberto e perguntamos (por baixo da lona que nos dá pela testa) se vai abrir ... a resposta é que sim. Mas percebendo a hesitação perguntamos quando, ao que nos dizem que estão com um "probleminha". Aqui perguntamos qual é então as horas que vão abrir ... e respondem que não têm horário! Depois de esclarecermos que queremos saber os horários dos dias em que não têm "probleminhas" ... e respondem-nos que então abrem às 3 da manhã ... ou seja há 2 horas atrás!

A nossa alegria esvai-se e procuramos outro café aberto no terminal, onde compramos café e muffins que nos confortam enquanto esperamos pelo próximo voo ... na esplanada do Starbucks! Chegámos a outra realidade ...


11.00 CHEGÁMOS A BUENOS AIRES

Depois de um voo tranquilo e de uma passagem pela alfândega ainda mais tranquila, temos um problema para resolver: conseguir um taxi. A tarefa de sair do aeroporto central de Buenos Aires não é fácil, pois sem pesos, com as máquinas de dinheiro do aeroporto a não aceitar os cartões e uma espera de 1h para os carros com motoristas, não nos resta outra opção do que negociar um preço com os taxistas presentes para lhes pagarmos em euros ou em dólares ... e foi o que fizemos.

Metemo-nos em dois taxis e saímos para uma cidade com um trânsito difícil, congestionado, mas essencialmente muito diferente do que estávamos à espera, pois esta é uma metrópole moderna mas também recheada de contrastes e de história.

Foi uma descoberta interessante e que prometia bastante para este começo de Viagem de Verão em Direto ... assim os Rumos do Sul vão começar em grande estilo.


12.30 A CASA DE BUENOS AIRES

Porque cada local tem a sua personalidade, nesta viagem decidimos que em cada local onde pernoitamos adoptamos um tipo de alojamento diferente ... e começamos por buenos aires alugando uma casa recheada de história e muito ao estilo arte nova - a Mansion Boero.

Assim quando chegamos ao bairro de San Telmo e à casa onde vamos ficar, deparamo-nos com uma casa cuja monumentalidade e a autenticidade são verdadeiramente impressionates. A sua dimensão, o trabalhado arte nova da sua decoração autêntica, os maravilhosos e infindáveis salões, quartos e halls e os seus vitrais, madeiras e estiques tornam este um local digno de um cenário de um filme de época de grande produção hollywoodesca.

Ficámos rendidos, maravilhados e absolutamente conquistados por este primeiro momento real da nossa viagem. Se até agora tinham sido aviões, aeroportos e taxis ... o primeiro momento verdadeiramente real e memorável desta viagem foi esta casa única e monumental que nos recebe para marcar o ponto de partida para estes Rumos do Sul.


13.30 DON ERNESTO

Depois de toda uma explicação de como se acendiam as lareiras, como funcionavam as várias particularidades de uma casa arte nova ainda em funcionamento e de um acolhimento pelos nossos anfitriões do Airbnb irrepreensível, escolhemos os nossos quartos (de entre os doze da casa) e saímos para irmos almoçar.

Assim dirigimo-nos ao centro do bairro de San Telmo e entramos no muito conhecido em muito típico restaurante Don Ernesto. Situando-se mesmo ao lado do famoso coração do mercado de San Telmo, este restaurante tem como principal particularidade ter as suas paredes brancas repletas de mensagens deixadas pelos seus milhares de visitantes que, ao longo das décadas, vêm elogiado a qualidade da sua muito típica Parrillada Argentina.

Se é famosa a Parrillada do Don Ernesto, a razão percebe-se assim que esta aparece na mesa: a qualidade da carne, a diversidade e excelência dos seus cortes e a magistralidade com que esta é confeccionada, fazem deste um prato obrigatório numa passagem por Buenos Aires ... E com esta verdadeira experiência sensorial de excelência que começamos também a nossa viagem gastronómica por estes Rumos do Sul - em grande e em muito saboroso!


15.00 O BAIRRO DE SAN TELMO

Depois de nos deleitarmos com um autêntico repasto dos deuses (e atenção que uma dose de carne dá para duas pessoas ... pois nós somos sete e pedimos três entradas e quatro cortes de carne distintos), vagueámos pelas ruas deste bairro tão típico e tão popular da capital argentina.

Sendo um território marcadamente residencial, as suas lojas de antiguidades e velharias, de pequenos alfarrobistas e lojas de objetos curiosos, o ambiente que se vive é digno de uma imersão no verdadeiro espírito popular argentino. Não se espere de San Telmo o deslumbre dos grandes edifício, mas sim um sentimento de peculiaridade e de honestidade digno dos verdadeiros bairros populares das cidades cosmopolitas.

É assim num oásis no meio de uma das grandes metrópoles deste continente, por onde começámos estes Rumos do Sul ... e as surpresas deste bairro não ficam por aqui.

Poucos sabem que a famosa personagem de banda desenhada Mafaldinha é argentina ... e ainda menos sabem que esta nasceu neste bairro. É na esquina de Defensa com Chile que se encontra o muito simpático, divertido e surpreendentemente cativante monumento a esta sarcástica, bem humorada e muito autêntica personagem do humor mundial. Assim, não deixámos San Telmo sem antes fazer a Selfie obrigatória acompanhada de Mafaldinha, e da sua amida Susanita e do sempre divertido Manolo.

Foi um final de visita a San Telmo muito divertido e que nos pôs todos com um sorriso nos lábios.


16.00 A PLAZA DE MAYO, A CASA ROSADA E A CATEDRAL

É mesmo no limite norte do bairro de San telmo que está um dos locais mais monumentais de Buenos Aires: a Plaza de Mayo e os seus edifícios monumentais.

Esta imensa e imponente praça, está rodeada de alguns dos edifícios mais significativos da nossa memória coletiva da cidade. Sendo dominada no seu topo nascente pela famosa Casa Rosada, esta praça está recheada de história política, arquitetónica e simbólica em todas as suas fronteiras.

Mas se temos de destacar dois monumentos, estes são sem dúvida o imponente e muito icónico palácio presidencial, donde evita peron se imortalizou e deu início à sua lenda a nívl mundial (a Casa Rosada) e a sua catedral, muito ao jeito de igreja neo-clássica em ton de templo romano, que nos seus interiores guarda alguns dos altares e tetos mais impressionantes de toda a américa latina.

Foi aqui entre estes dois edifícios que passámos uma hora ... e foi daqui que partimos rumo à Avenida de Mayo, para fazermos a nossa próxima paragem ...


17.30 O CAFÉ TORTONI

A cidade de Buenos Aires é conhecida pelas suas inúmeras e muito ricas livraias e pelos seus magestosos e irrepreensíveis cafés monumentais. O café mais conhecido e famoso desta cidade é o Café Tortoni.

Localizado no número 825 da Avenida de Mayo, este café data do século XIX e tem os seus interiores profusamente decorados bem ao estilo arte nova com referências dos cafés parisienses da época.

Aqui em plena hora do lanche juntam-se turistas, argentinos e estrangeiros residentes na cidade, que fazem deste o seu lugar de pausa da tarde ... sempre acompanhada por um chocolate quente delícioso e uns muito saborosos e leves churros para molhar nesse mesmo chocolate ... e foi o que também fizemos ... durante esta pausa da tarde a meio deste primeiro dia de Rumos do Sul.

Sem em Roma Sê Romano ... em Buenos Aires, à tarde tem de se passar pelo Café Tortoni e comer uns churros com chocolate!


18.30 O CONGRESSO

Depois de uma revigorante pausa gourmet, continuámos Avenida de Mayo fora e chegámos ao seu outro extremo: a Plaza de los Congresos.

Se de um dos lados da avenida está o poder executivo, no seu outro extremo está o poder legislativo com o grandioso e muito bom (arquitetonicamente falado) edifício do Congresso da Argentina.

Com a sua estrutura muito baseada no sempre referencial Congresso Americano, esta construção impõe-se incrivelmente sobre toda a paisagem da praça, obrigando assim a que, apesar de todos os edifícios magníficos que tem, a nossa atenção se centre forçosamente apenas no topo poente da Praça e na sua imponente construção. Mágico foi o momento em que chegámos porque coincidiu com o tempo exato em que o Sol se punha atrás do edifício, deixando o céu com umas cores verdadeiramente espectaculares que fizeram desta uma imagem memorável e irrepetível nas nossas memórias.


19.00 AS GALERIAS PACÍFICO E A RUA FLORIDA

Já com a noite a instalar-se na cidade e as suas luzes a acenderem-se, fomos (de metro, pois era a forma mais prática e rápida) até à Plaza de San martin e à famosa e muito peculiar Rua Florida.

Esta rua pedonal e comercial é conhecida por vários fatores ... um deles foi de grande utilidade para nós: os trocadores de moeda argentinos clandestinos. É corrente todas as lojas, restaurantes ou estabelecimentos aceitarem o pagamento em dólares americanos ou em euros ... mas o melhor câbio da cidade não está nelas, nem nas casas de câmbio, nem nos bancos ou nas caixas automáticas ... mas sim nestes homens que ao longo da Rua Florida se oferecem a todos os que eventualmente possam parecer turistas para trocar estas duas moedas por pesos argentinos.

Assim aproveitámos (num processo escondido, e claramente pouco ortodoxo) o cambio muito favorável que nos ofereciam (para que se tenha uma ideia era 30% melhor do que o oferecido nas casas de câmbio oficiais) e dirigimo-nos às muito bonitas e elegantes Galerias Pacífico.

Este centro de lojas de luxo é exteriormente belo ... mas ainda mais belo de noite e com as suas iluminações monumentais a potenciar a arquitetura trabalhada e magistral do edifício. E é com esta visão (e não sem antes tomarmos mais um café, pois o nosso dia já vai bastante longo, uma vez que durante o voo muitos não dormimos e os poucos que dormiram foi de forma ligeira e descontinuada) que voltamos a casa, para nos prepararmos para o final que tínhamos preparado para o dia de hoje ... o jantar do Eatwith.


21.30 O JANTAR EM CASA DE DESCONHECIDOS AMIGOS

Foi através da plataforma digital Eatwith que marcámos o jantar de hoje para casa de um habitante da cidade de Buenos Aires: o Hernan.

Depois de um merecido e relaxante banho e de um percurso de meia hora de taxi, chegamos a casa do Hernan e dos seus amigos, onde nos recebem como se fossemos conhecidos de longa data. Não fora o facto de nos apresentarmos à porta e este nosso encontro com o nosso sorridente e simpático anfitrião seria o típico encontro de amigos de longa data em casa de um deles.

Chegados à sua casa, instalámo-nos na sala, bebemos uma "cerveja de trigo artesanal, feita por uns amigos meus" (conforme nos esclarece) e, nem 20 min depois de termos chegado, estamos sentados a uma mesa onde é posto um repasto digno das mesas mais familiares e informais: um Asado Porteño. Depois de comermos uma Parrilla Argentina ao almoço, ao jantar provamos então, a versão popular e muito caseira deste típico sucesso gastronómico argentino.

A conversa foi tão boa que acabámos por chegar já depois da meia-noite a casa ... mortos, mas muito satisfeitos, com este primeiro dia dos nossos e dos vossos Rumos do Sul recheados de momentos únicos e muito ricos e diversos.

Se este primeiro dia prenuncia o resto desta viagem ... esta vai ser sem dúvida uma viagem memorável, que se tornará num momento determinante nas nossas vidas de viajantes. Mas se este dia nos deu tanto ... o dia de amanhã vai dar-nos uma Buenos Aires totalmente diferente ... por isso não percam, que nós também não vamos perder ... e contaremos tudo ao longo do dia nas nossas redes sociais (facebook e instagram com o hashtag #rumosdosul) e no final do dia, aqui, mais detalhadamente, e em exclusivo, no blogue And This is Reality!

0 Reality Comments: