O NOVO EXPRESSO DO ORIENTE | DIRECTO - DIA 06


07:00 Despertar na Selva

Depois de uma noite em que o calor foi menos do que o que esperávamos e de adormecer ao som das cigarras e demais bichos da vida nocturna aqui da Selva de Sumatra, despertámos bem cedo, pois o programa assim o exige.

Acordar numa cabana no meio da Selva e tomar duche numa cabine ao ar livre (apesar de ter cobertura, não tem janelas, apenas mosquiteiros) é uma sensação forte logo pela manhã.

Tomado o pequeno almoço por baixo de um telheiro no meio do relvado, rumamos ao Jeep para nos prepararmos para a primeira aventura de hoje: ir ver macacos no seu ambiente natural!

A não perder mesmo!


12:00 Welcome to the Jungle ... a Verdadeira!

O primeiro dos programas do dia de hoje foi um passeio pela Selva para ver a vegetação e os primeiros animais. O passeio durou cerca de quatro horas e foi feito umas partes de Jeep e outras a pé.

Foi a primeira vez que tivemos a verdadeira sensação do cenário avassalador que é a Selva de Sumatra.

A sua escala, a sua diversidade de vegetação, a densidade desta e a sua biodiversidade são impressionantes. O silêncio reina, ouvindo-se apenas os muitos insectos, os diversos tipos de pássaros e de vez em quando as folhagens a mexerem (dando assim indicação que um animal de maior porte está perto).

Neste passeio o mais emocionante é de facto densidade desta Selva, bem como os momentos em que as folhagens se mexem. Nesta selva não se vêem muitos animais, pois eles são verdadeiramente selvagens e não coabitam bem com a presença humana.

Como poucos pássaros conseguimos ver ao perto o nosso simpático guia tem um livro que nos vai mostrando à medida que nos cruzamos com as aves ... é um detalhe de uma simpatia enternecedora!


14:00 De Volta ao Lodge

Depois de uma manhã inteira a ver os primeiros pássaros e os primeiros macados e outros primatas de maior porte, voltamos ao Eco Lodge e almoçamos e tivemos algum tempo de descanso.

Nesta hora em que o calor aperta, a recomendação que deixamos é descansar, pois a temperatura e a humidade não deixam grande margem de movimentos.


15:00 O Passeio pela Estrada

Ainda antes do programa da tarde, decidimos dar um passeio ao longo da estrada principal por forma a conhecer um pouco melhor a forma de vida da população desta zona.

O cenário é absolutamente rural, as casas, na sua maior parte são muito pobres e feitas de madeira e chapa. No entanto há algumas de tijolos e betão, que quando não estão inacabadas, estão pintadas de cores muito garridas, dando à paisagem uma pontuação de cor contrastante e alegre muito próprias.

Outro dos aspectos interessantes são as lojas que existem. Vendem uma miríade de produtos que não conseguimos identificar e outros que estranhamos a mistura (ou mesmo a sua venda desta forma). Há alguns produtos no entanto que são constantes em todas: gasolina em bidons, conservas, champôs, bidons de água potável e roupa ... tudo num espaço não maior do que uma roulote!

Quando passamos na estrada todos os que estão nas casas ou nos campos, olham com curiosidade e um sorriso pronto para nos cumprimentarem. As crianças riem-se dos nossos cumprimentos e os adultos acenam-nos e chamam-nos Bule Bule (que quer dizer Branco em Indonésio).

Foi um passeio interessante e que nos deu uma ideia bem clara de como vive esta população amistosa e bem simpática.


18:00 De Barco no Rio

Logo a seguir ao nosso passeio pela estrada voltamos a entrar no Jeep e percorremos durante uma hora uma estrada na selva que nos vai levar ao programa mais aguardado do dia: a descida do Rio Way Kanan.

Entramos num pequeno e muito baixo barco de madeira e sentamo-nos no chão de madeira dele (com umas espumas por baixo de nós) e partimos rio abaixo.

O silêncio reina perante um cenário mágico, o ritmo do barco é lento, permitindo apreciar a maravilhosa e frondosa vegetação que nos rodeia e se na primeira hora o número de animais que conseguimos ver é muito reduzido, parece que os nossos olhos se vão adaptando à selva e vão descobrindo um sem número de aves e de macacos ao longo do percurso.

Esta é uma aventura digna de se fazer pelo menos uma vez na vida. A magia de sentir o explendor da Selva ao nosso redor, de ver a verdadeira vida selvagem acontecer perante os nossos olhos e a noção de que o tempo não interessa, e que neste contexto tem uma importância e uma medida bastante diferentes, é algo absolutamente novo único e muito especial.

Mas o melhor deste passeio está guardado para o final: assistir ao Pôr do Sol em pleno rio e ver a alteração de cores que a selva e o rio e o céu proporcionam é um momento de uma beleza inesquecível!


21:30 A Caça Nocturna

Mas para o final do nosso dia tínhamos mais uma última aventura na Selva de Sumatra: ir ver os Loris no seu habitat natural.

A "caça" a este animal foi feita toda ela a pé e envolveu um guia e um miúdo que sabe descobrir os Loris como ninguém por estas bandas, segundo nos disseram ... e foi verdade: os vários Loris que vimos foram todos descoberto nos topos das árvores foram descobertos pela sua lanterna.

Este pequeno primata vive apenas à noite e vive exclusivamente nas copas das árvores. Visualizá-lo é fácil (pois os seus olhos brilham com a luz), o difícil é descobri-lo. Assim tivemos sorte, pois conseguimos ver vários ... parados e em acção ... mas sempre sozinhos pois é um animal que vive isolado. Neste passeio nocturno vimos também morcegos e corujas e todo um conjunto de fauna que habita esta Selva durante a noite.

De regresso ao Lodge decidimos ir directamente dormir, pois o dia de amanhã é de partida desta muito pouco explorada ilha, em direcção ao nosso próximo destino: Yogyakarta e os famosos vulcões de Java.

0 Reality Comments: