VIAGEM DE VERÃO EM DIRETO 2019 | GASTRO FRANCE - DIA 5

NOTA: o relato desta viagem foi escrito em direto, mas, por motivos alheios à nossa vontade, não foi publicado em direto, pelo que pedimos desculpa aos nossos fieis seguidores.


É o primeiro dia a acordarmos em Epernay, coração da região de Champagne, e o hotel que escolhemos é um muito simples, mas bastante confortável hotel da cadeia Confort Suites.

Situado numa zona da pequena cidade de Epernay, este hotel é o local perfeito para estacionar sem problemas o carro, chegar tarde, e dormir bem, pois tem tudo preparado com vista ao conforto dos hóspedes. Mais interessante ainda são as suites que são pequenos apartamentos com uma sala e um quarto, mas que funcionam todas em estúdios duplex, com os quartos a funcionarem num mezzanino.

Depois de um pequeno almoço simples, mas completo, saímos então para a primeira visita do dia.



A nossa primeira visita é a um dos destinos mais icónicos da região: as conhecidas caves Mercier. Decidimos nestes próximos dois dias começar o dia com uma visita a uma cave da mítica bebida francesa e qual a melhor cave para visitar primeiro se não a muito clássica e muito popular Mercier.

Situada a pouco mais de 5min de carro do hotel (e é dizer muito) esta cave começa a sua visita no seu centro de visitas, onde está um dos mais emblemáticos símbolos deste champagne: o gigantesco barril.

A história deste barril é simples: para publicitar a sua bebida, o fundador da casa - Eugène Mercier - manda construir um gigantesco barril, enche-o de champagne e envia-o para estar exposto na famosa exposição mundial de 1889 (a mesma que deu origem à Torre Eiffel). Depois de uma breve explicação da história do impressionante barril, e das suas peripécias para chegar ao centro de Paris a tempo da Exposição, entramos dentro de uma sala vizinha onde um vídeo nos conta a história da casa e de Eugène Mercier. Só depois então descemos às míticas caves.



Conhecidas como sendo as mais antigas da região planeadas de forma a poderem ser local de produção e local de visita, estas caves têm uma particularidade: ao longo dos 18 km de túneis, escavados a mais de 30m de profundidade, várias esculturas decoram as caves, por forma, não só a fazer desta visita um momento mais memorável, mas, essencialmente, para trazer uma sofisticação, beleza e elegância aos trabalhadores destes túneis, para que o champagne aqui produzido tenha também estes princípios. O único ponto negativo deste passeio pelas caves é que ele é feito num comboio eléctrico (em vez de a pé) o que retira muita da magia que esta visita poderia ter.

No final da visita, de volta à superfície, claro está, passamos à sala de provas e provamos dois cuvets absolutamente irrepreensíveis. Quer o Brut, quer o Demi-Sec (cuja diferença são as gramas de açúcar adicionadas, como nos explicam antes na visita às caves) são deliciosos o que nos faz demorar um pouco mais na já sacro-santa finalização da visita pela loja.

Assim começamos bem o dia, com uma visita bem emblemática, com uma história curiosa e com um local belo ... e claro com uma proposta gourmet do melhor que se pode ter nesta região. Assim começa este nosso dia 5 desta Gastro France.




Depois de uma manhã dedicada ao Champagne, voltamos à estrada e rumamos à cidade de Troyes, onde decidimos almoçar num dos seus mais bem guardados e secretos templos gastronómicos: o Chez Feliz.

Este restaurante é um verdadeiro templo da gastronomia da região do Grande Leste, com tudo o que se tem direito. Desde um menu bem equilibrado entre pratos tradicionais e outros com um toque moderno, até um serviço eficiente e super simpático, passando por uma decoração e um ambiente absolutamente modernos e sofisticados, mas descontraídos e amistosos.

Aqui o nosso destaque vai para as muito tradicionais Andouillettes de Troyes, que são absolutamente deliciosas, únicas e neste restaurante são verdadeiramente bem feitas. É um prato muito especial e que não se adapta a todos os gostos ... mas nós adorámos!



Depois de almoço e depois de um pequeno passeio pelas ruas do centro da cidade, voltamos à estrada rumo ao nosso próximo destino: a única mostardaria ainda artesanal e familiar da região de Dijon - a Maison Edmond Fallot.

Situada a poucos quilómetros a sul de Dijon (em Baume), esta é a única das casas produtoras da famosa de Mostarda de Dijon, que ainda permanece nas mãos de uma família e que produz 100% do seu produto segundo o método artesanal. Assim marcámos uma visita nesta mostardaria.

Assim que chegamos percebemos que estamos numa pequena, mas muito tradicional Maison, e que o espírito é todo ele de uma simpatia e de uma afabilidade muito grandes. Desde a simplicidade do discurso, até à sofisticação da prova, passando pelo divertido desafio de fazermos mostarda nós mesmos, toda a visita é absolutamente apaixonante ... e claro, quando saímos da visita, não resistimos a comprar várias das muito exclusivas e prestigiadas mostardas Fallot.



Mas o nosso dia não poderia acabar sem uma passagem pela vizinha cidade de Dijon, capital da região da Borgonha, e célebre por toda a sua gastronomia. Assim sendo, quando saímos da mostardaria, rumamos ao centro desta histórica cidade, onde passamos um fim de tarde entre monumentos, ruas e praças e um pôr do sol dourado e magnético.

Foi nesta cidade que jantámos, calmamente, no Le Concept, que é um pequeno restaurante de bairro, apenas frequentado por franceses, que tinham decidido aproveitar a noite quente que estava, e jantar numa esplanada. Foi também o que fizemos, e foi demoradamente que nos deleitámos com um Gratin de Escargots e com um Croq Monssiuer absolutamente divinais.

Foi um final de dia perfeito, com a temperatura perfeita, com os sabores perfeitos e com os preços ideais. É depois deste repasto simples mas divino que voltamos ao nosso hotel em Epernay, para nos prepararmos para mais um dia de viagem, que nos vai trazer muitas coisas boas ... mas isso é só amanhã!


0 Reality Comments: