ROTA DOS MAHARAJAS EM DIRETO | DIA 4


09.00 O Despertar

Acordar no Abode Boutique Hotel é como acordar em casa ... com a regalia de haver quem nos prepare o pequeno-almoço e de ter mais companheiros de casa que não conhecemos.

Os quartos têm dimensões generosas, a casa de banho é moderna e funcional e por todo o espaço temos fotografias antigas de uma família indiana e de Mumbai. Estamos num ambiente que cruza o tipo dos bons hotéis de charme, com a modernidade e a coolness que só está reservada a quem sabe ser e fazer.

O sorriso do pessoal, a pergunta se passámos bem a noite, o que temos reservado para este dia, fazem desta estadia uma agradável surpresa e do Abode Mumbai um oásis da hotelaria nesta mega metrópole indiana.


11.00 As últimas compras em Mumbai

Começamos o nosso dia com uma nova visita ao mercado de Colaba, para fazermos as últimas compras e por forma a fazer tempo para podermos embarcarmos na primeira visita do dia.

Desta vez, em vez de nos concentrarmos nas bancas de rua, vamos diretos a uma das lojas mais surpreendentes e interessantes de toda a cidade: a Good Earth.

Esta loja, aposta naquilo que por aqui se chama: o estilo "Nova Índia".

Com uma abordagem contemporânea, os objetos tradicionais da cultura indiana são reinventados e reinterpretados, à luz de um gosto e de uma cultura contemporânea. Sem deixar as ligações aos seus símbolos tradicionais, este conceito de estilo "Nova Índia", reinterpreta esses mesmos símbolos com um sentido estético bastante requintado mas em consonância com novas tendências de mercado e de moda. Saris, porcelanas, almofadas, vidros, perfumes ou jóias, são apenas alguns dos produtos aqui vendidos.

Este é mais um "oásis" de sofisticação que nos conduz ao nosso tema do dia "Bollywood"


13.00 O India Gate

Mesmo antes de embarcarmos naquela que vai ser uma das maiores aventuras desta viagem, dirigimo-nos para a famosa e icónica India Gate, compramos o bilhete de barco para a Ilha da Elephanta e entramos no recinto exclusivo a portadores de bilhetes.

Este imenso arco do triunfo é um dos monumentos coloniais mais impressionantes de toda a cidade. Sendo um dos ícones incontornáveis desta visita, o India Gate vale a pena não só pelo seu significado de Porta de entrada num novo território (significado pelo qual foi construído pelos ingleses durante a sua ocupação), mas essencialmente pela sua impressionante imponência.

É o momento de algumas fotografias icónicas e de muitas imagens dignas de bilhete postal.


13.30 A Viagem de Barco até à Ilha da Elephanta

Mesmo antes da hora de almoço começamos então a viagem de barco até à Ilha da Elephanta, mas como imaginavamos que não fosse num barco muito estável e cheio de condições, decidimos embarcar sem almoçar por causa do problema dos enjoos ... e fizemos bem!

O barco, tinha um formato e um aspecto que lhe dava uma imagem muito tipica ... e também muito frágil, prenunciando uma viagem dura e acidentada ... e foi! Esta é uma viagem que não é própria para cardíacos, pessoas que enjoem de barco em mar acidentado ou pessoas que tenham medo de experiências mais radicais. As condições de segurança do barco são inexistentes segundo os padrões europeus: desde a baia da zona de entrada nem existir, a não haver sequer coletes salva vidas ... é só pensar no que poderia faltar ... e falta!

O mar estava agitado (mais à vinda do que à ida), por ser época das monções (de Julho a Setembro), mas isso garante imediatamente que a água castanha do Mar Arábico entra pelo deck dentro em ondas mais altas e nas mais baixas salpica pelos lados do barco ... pelo que o resultado é sempre uma valente molha.

A água ao entrar cria uma agitação em todo o barco, pois todos a bordo (na sua quase totalidade indianos) fogem dela para não ficarem totalmente encharcados ... e depois gozam com quem levou com a onda em cima. Foi uma viagem de uma hora, cuja diversão e entretém são uma constante e garantidos.


14.00 A Ilha de Elephanta

Quando chegamos à ilha a deixam-nos num imenso pontão que temos de percorrer até à ilha, num percurso que nos dá tempo de nos habituarmos à temperatura abrazadoura, à alta humidade e à ideia de que estamos a chegar a uma ilha tropical repleta de selva.

Depois de percorrer todo o pontão chegamos à base de uma escadaria ladeada por bancas de vendedores de produtos para turista e inundada por macacos, cabras, cães e gatos. Os letreiros avisam-nos para termos cuidados com os macacos, pois roubam-nos o que puderem. Subimos 125 degraus irregulares e selva a dntro e chegamos à porta do local arqueológico das grutas sagradas de Elephanta, classificadas como Património Universal da Humanidade pela Unesco.

Estas cinco grutas foram construídas por volta do sec. VI e têm no seu interior salas de culto dedicadas à deusa Shiva. A primeira de todas as grutas é a mais espectacular de todas e tem o ex-libris de todo este recinto: a deusa Shiva de três cabeças.

Sombrias, humidas, suportadas por pilares esculpidos, sempre elevadas do plano da entrada (acedendo-se sempre pos escadas de pedra centrais), estas grutas são um must see de Mumbai. Mais do que espectaculares, estas são uma experiência. Segundo percebemos, ir durante as monções (de Julho/Setembro) tem a vantagem de estas grutas terem pouco cheiro (durante a época fora das monções o calor da selva e a falta de chuva garante uma experiência olfativa bastante forte) ... como desvantagem tem-se uma viagem de barco bastante mais acidentada durante as monções.

Depois de visitarmos as grutas, voltamos a descer a imensa escadaria, percorremos o pontão (um verdadeiro percurso mágico este o do pontão, pois transporta-nos para a ilha tropical e à saída funciona também como elemento psicológico de saída desta e de volta à Mumbai confusa e cosmopolita) e voltamos para mais uma hora de viagem de barco humida e acidentada ... ou como diriam alguns: "com emoção"!


16.30  Finalmente Bollywood

Depois de voltarmos ao hotel, tomar um duche rápido e mudarmos de roupa, vamos então ao ponto alto do dia que nos leva ao tema do dia de hoje - Bollywood.

Se no primeiro dia orientámos a nossa visita para ficar com uma noção da dimensão e diversidade da cidade, se no segundo dia nos dedicámos mais à Mumbai Colonial, neste terceiro e último dia vamos dedicar-nos ao famoso e mítico Bollywood.

É preciso referir que Bollywood não é como Hollywood: Bollywood não existe fisicamente. Bollywood é apenas uma expressão que foi criada e que cruza Bombay (antigo nome de Mumbai) com Hollywood, e que se refere à famosa indústria cinematográfica que aqui tem a sua sede. No entanto a maior parte dos filmes ou séries de televisão já não são filmados aqui, mas um pouco por toda a Índia e por todo o Mundo. Mas conforme referimos na apresentação do Conceito da nossa Rota dos Maharajas, viemos a Mumbai à procura do Maharaja dos nossos tempos: o Actor de Cinema de Bollywood.

Assim entrámos no nosso carro e o motorista levou-nos durante uma hora até à zona de Film City e para o Imperial Palace Hotel. Por gentileza do Abode Hotel, conseguimos entrar num local de filmagem de um dos famosos filmes de Bollywood!

Assim que chemos aos portões do recinto do hotel, percebemos que estamos perante uma verdadeira grande produção: a quantidade de camiões, as centenas de pessoas que circulam entre eles levando cabos, ou holofotes ou a segurança na entrada do hotel (que verifica todos os que entram) que nos impede de entrar sem termos identificação (por mais que o nosso motorista argumente ... não tendo a correcta identificação não entramos mesmo) para tal dá-nos logo uma ideia do que nos espera.

Ao final de cerca de várias argumentações do nosso motorista com os seguranças, de mover o carro três vezes para deixar passar camiões que chegam e partem e de quase uma dezena de telefonemas, chega ao portão um sorridente, e jovem assistente de produção que autoriza a nossa entrada ... e assim entramos em Bollywood.

De nome Ahmad, vai-nos pedidndo desculpa por ter demorado a ir buscar-nos, mas que estava ocupado, pois estava-se a filmar uma cena que não podia sair de onde estava ... com o entusiasmo que estamos por termos conseguido entrar numas filmagens de Bollywood, dizemos-lhe que, obviamente não tem problema. Segue o caminho entre os camiões e pergunta-nos se queremos beber ou comer algo, ao que explicamos que ainda não almoçámos ... e leva-nos ao Catering da produção onde nos servem simpaticamente um almoço ... como o simpático Ahmad ainda não tinha almoçado também, convidamo-lo a sentar-se conosco e comer também. Enquanto comemos (numa tenda de produção onde está montado um refeitório) explica-nos que este filme vai estrear em Outubro e tem à frente duas das maiores estrelas de Bollywood do momento. A história é um remake de um filme do Hollywood "Night and Day" ... mas que aqui se vai chamar Bang Bang. É uma super produção, com espiões, muitos efeitos especiais, duplos e tudo o que uma grande produção tem direito ... afinal estamos em Bollywood, a maior indústria cinematográfica do Mundo!

Quando acabamos de comer dirigimo-nos então para o edifício (que estava obviamente todo reservado exclusivamente para as filmagens) para irmos ver ao vivo a máquina de Bollywood em acção. O hotel é um imponente edifício de príncipio do século XX, com arquitetura colonial, que tem interiores de estilo neoclássico, ultra trabalhados, e verdadeiramente espectaculares ... agora transformados em Casino Europeu. As centenas pessoas de figurantes (europeus na sua maior parte, mas também africanos, orientais e indianos), as centenas de assistentes técnicos, a dimensão de todo o set de filmagens, e as desenas de cabos, holofotes, tubos de ventilação, e toda uma parafernália de câmaras e mesas técnicas assegura-nos uma coisa: estamos verdadeiramente perante uma produção com um orçamento gigantesco!

Tinhamos sido avisados à partida que não poderíamos tirar fotografias de nada que revele o conteúdo do filme ... o segredo sobre este filme é grande, bem como o cuidado dos seguranças que nos observam a dodo o momento para ver se respeitamos o pedido ... respeitamos!

Ao fim de uma hora de estarmos a assistir ao vivo e a cores às filmagens de um filme de Bollywood, de vermos como os Atores aqui são tratados verdadeiramente como deuses - ninguém lhes dirige a palavra a não ser o assistente de cada um deles e o realizador ... e eles passam por todos, inculsivé por nós, com um ar nem de altivez, nem de simpatia ... mas de apatia total e completa perante as centenas (se não milhares) de pessoas que os rodeiam - agradecemos ao Ahmad a simpatia de nos ter recebido e de nos dar a hipótese de termos tido esta experiência ... e saímos de cena!


19.30 No Topo de Mumbai

Se a experiência que tínhamos acabado de ter nos deixou incrivelmente entusiasmados e irremediavelmente rendidos a Bollywood, não quisemos deixar esta Mumbai Bollywoodesca e continuámos nesse mood.

Assim já de regresso à cidade dirigimo-nos ao Topo do Four Seasons Hotel e ao seu muito conhecido e mágico Aer Loung. A vista deste local é impressionante, pois abarca toda a imensa metrópole numa panorâmica de 360º. As luzes que se acendem, as torres a perder de vista no horizonte, e o imenso tráfego das ruas que se movimenta incessantemente lá em baixo fazem deste sofisticado e moderníssimo bar o local perfeito para continuar este espírito Bollywoodesco por esta última noite de Mumbai.

Ficamos aqui, ao som de uma música Chill Out muito Jazzy, com uma conversa animada (já de novo com a nossa amiga Ayesha e com a sua muito simpática amiga Priscilla, que acabamos de conhecer) a contar o que acabámos de presenciar, e as horas passam sem darmos por isso ... bem como os deliciosos cocktails que aqui fazem (os Appletinis são um "must taste" ... acreditem).


22.00 A Grande Despedida de Mumbai

Depois de alguns cocktails, a conversa continua em ritmo animado no carro e dirigimo-nos à zona industrial de Lower Parel, e entramos nos portões de um complexo industrial que agora se encontra convertida em zona de bares e restaurantes e lojas chiques - o Laxmi Industrial Mills.

O ambiente que aqui se vive é o equivalente indiano de um complexo industrial do princípio do século XX, que agora foi totalmente ocupado e reconvertido em zona chique de restaurantes, bares, discotecas, lojas de roupa e de decoração ... e que aqui, tem a exclusividade se dirigir apenas a uma elite muito pequena dos 20.000.000 de habitantes desta metrópole.

O nosso destino é o Café Zoe, para um grande jantar de encerramento desta nossa passagem por Mumbai, organizado pelas nossas duas anfitriãs de serviço. O carro pára, saímos, e guidados pelas nossas simpáticas amigas locais, entramos numa porta pequena ao fundo de uma passagem estreita e deparamo-nos com um enorme hangar industrial, repleto de pessoas bonitas, cheio de boa música e inundado de cheiros de comida apelativos e deliciosos. Perguntam-nos onde queremos a mesa e escolhemos a mezaninne para melhor poder controlar todo o recinto.

Sem perder o toque indiano, este restaurante é o local perfeito para podermos trazer a esta nossa viagem uma Mumbai ultra sofisticada, cosmopolita, com um estilo próprio, mas enquadrado nas correntes internacionais. O ambiente mistura pessoas com estilo internacional, com outras que repensam os padrões e a cultura mais tradicional indiana, o bom aspeto de todo o staff garante a selecção criteriosa deste e a decoração cuidada ao mais ínfimo detalhe fazem deste um espaço irrepreensível e muito trendy ... quer em Mumbai, quer em qualquer parte do mundo.

Sentamo-nos e escolhemos cada um o seu prato e o que nos surge é uma surpreendente fusão entre a cozinha europeia e o exotismo indiano ... indescritivelmente perfeita. O balanço dos temperos, a perfeição dos tempos de cozedura e de confeção dos alimentos (quer seja carne, massa, arroz, batata ou legumes), a excelência dos produtos e a simpatia e coolness do serviço fizeram deste jantar o momento memorável e perfeito para encerrarmos esta nossa estadia em Mumbai ... e assim o fazemos!

A aventura da viagem de barco até ao património universal da Unesco; assistir a umas filmagens de Bollywood; o copo de sunset no espectacular Aer Loung; o este incrível jantar no Zoe Café ... Este foi um dia em grande!

0 Reality Comments: