VIAGEM DE VERÃO EM DIRETO 2016 | AMERICAN SERIES - DIA 17


24:30 O LUXX DE SANTA FÉ

Pouco menos de uma hora demora entre a cidade de Albuquerque e a capital do estado (e a segunda maior): Santa Fé.

A histórica cidade vai ser o nosso destino final deste dia e o destino final desta segunda fase da viagem, que foi toda feita de carro. Foram mais de seis mil milhas (mais de 9.500 km) percorridas por cinco estados norte americanos. Vimos desertos, canyons, florestas, cidades, vilas e muitas paisagens diferentes e que nos marcaram. É esta etapa que chegou ao fim com a nossa chegada ao Luxx Hotel em Santa Fé.

Mas claro que não chegava ao final sem um pequeno stress. Quando chegamos ao Luxx, cansados e mortos para ir para o nosso quarto, o hotel estava totalmente fechado e tem um papel na porta a pedir para ligarmos para um determinado número, se fizermos late check-in (depois das 19:00). É o que fazemos mas ... ninguém atende! Do outro lado apenas uma gravação a agradecer termos ligado para o hotel, referindo que a nossa chamada é muito importante para eles, e para deixarmos uma mensagem que nos contactarão brevemente. Ora obviamente que alguém se tinha esquecido de nós ou tinha adormecido e não ouvia o telefone tocar ... e só à quinta chamada é que conseguimos que alguém nos atendesse e então nos explicasse que era self check in e como entrávamos no hotel.

Quando chegámos entrámos num novo mundo de conforto e qualidade, mas disso falaremos amanhã, porque agora ... vamos dormir!


23:30 ALBUQUERQUE

Sendo que o nosso plano era jantar em Albuquerque (a maior cidade do estado do Novo México), ao chegarmos às 23:30h, tal já não foi possível de fazer num restaurante que não fosse um drive in, pois tudo o resto está já fechado a esta hora. Este atraso ficou a dever-se a uma das estradas do nosso caminho indicado pelo GPS se encontrar cortada e nós sermos forçados a fazer um desvio. Este novo caminho, além de ter sido difícil de conseguir que o GPS o assumisse, teve ainda outro inconveniente: levou-nos para o meio de uma imensa tempestade que estava no meio da reserva Apache e na suas montanhas.

Assim, depois de nos alimentarmos num dos poucos fast foods abertos a esta hora, dirigimos-nos ao centro histórico da cidade estacionamos o carro e damos uma volta. Nós viemos até ao Novo México por causa da série Breaking Bad e agora percebemos que não só aquela aridez de paisagem é real, como também a própria arquitetura muito mexicana é muito presente nas cidades.

Albuquerque tem no seu Old Town Center o coração da antiga cidade de 1706, ainda com alguns edifícios originais da época, e muitos outros das épocas que se seguiram. É um conjunto urbano verdadeiramente interessante do ponto de vista histórico (mesmo para nós europeus), que está muito bem conservado e iluminado com muita sensibilidade e bom gosto.

Apesar de não apanharmos nada aberto e só termos conseguido dar uma volta a pé à noite, ficámos muito agradados com Albuquerque.


18:00 O MINI DESERTO BRANCO

Foi ao fim de várias horas na estrada que chegamos à nossa próxima paragem: as White Sand Dunes National Monument.

Esta zona (já bem dentro do estado do Novo México) é uma grande extensão de dunas brancas (bastante altas por sinal), no meio de uma paisagem semi desértica, que caracteriza o estado. Mais uma vez, para entrar, tem de se pagar (que nós como tínhamos feito o passe anual dos parques naturais no Grand Canyon, conseguimos entrar sem pagar), e começa-se por ver o monumento de fora que é bastante bonito, mas quando a estrada entra para dentro das dunas, a sensação é muito maior e avassaladora: tudo é branco.

Já visitámos muitos desertos na vida, mas este pequeno deserto de apenas 712 quilómetros quadrados, impressiona porque a sua areia é mesmo branca. De um branco puro e reflector da luz, que em contraste com o horizonte e com as pequenas ervas que ainda conseguem sobreviver nesta aridez, se torna ainda mais forte e magnético.

Este é um pequeno deserto ... mas com um forte impacto visual!


16:00 O MURO DE EL PASO

Claro que quando decidimos vir a El Paso fizemo-lo com a intenção de ver o famoso muro entre os Estados Unidos da América e o México, que tantas vidas tem destruído e que tanta polémica tem dado.

Assim dirigimos-nos à fronteira propriamente dita (que quase passávamos, pois o acesso é uma autoestrada, mas felizmente, nos últimos 50 metros tem uma possibilidade de dar a volta para trás), que impressiona pela sua militarização e pelas imensas filas de camiões que tem, e pelas infindáveis filas que se vislumbram do lado mexicano, e depois seguimos o próprio do muro.

São quilómetros de vedações eletrificadas, patrulhadas por guardas fronteiriços, com valas profundíssimas e que sendo relativamente transparentes nos deixam sentir, a nós que estamos do lado americano, enclausurados também, pois a barreira é imensa. É impressionante pela sua extensão e pela sua militarização.

Decidimos que não o fazíamos todo, e voltámos à estrada para o nosso próximo destino: o deserto branco.


15:35 OS TACOS MEXICANOS NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Depois de uma manhã em que atravessámos a parte sul estado do Arizona, a totalidade sul do estado do Novo México (onde voltaremos à tarde) entramos no estado do Texas para ir até El Paso.

Mas antes de explorarmos um pouco esta conhecida e polémica fronteira entre os Estados Unidos e o México, decidimos parar no L&J Café, para provarmos a sua famosa cozinha mexicana. Assim pedimos uns nachos com molhos verde e vermelho para entrada, um burrito de vaca com jalapennhos e uma enchilada de frango com molho vermelho e base de puré de milho.

A qualidade deste restaurante é irrepreensível. Com os nachos feitos na hora (ainda vinham quentes para a mesa) a abrirem logo a refeição (e a comprovarem os mais de 30 prémios de gastronomia que ganharam), percebemos logo que estávamos num dos principais templos de comida mexicana do Texas. É um dos locais que vale a pena parar e experimentar, pois em poucos sítios se deve comer comida mexicana tão boa como esta!


13:30 A MANHÃ NA ESTRADA

A manhã de hoje não teve grande história, se não muitos quilómetros numa infindável auto-estrada.

Não fora termos sido parados por uma Highway Patrol por estarmos em excesso de velocidade (circulávamos a 135km/h em vez de 107km/h9, e ter-nos passado a respetiva multa de excesso de velocidade, não haveria muito para contar. E claro que depois de nos mandarem parar tivemos direito à icónica frase "License and Registration Sir".

A paisagem entre Tucson e El Paso (a nossa próxima paragem) não é muito interessante e caracteriza-se por retas infindáveis até ao horizonte e por uma planura semi-desértica a perder de vista. Foi uma manhã que nos saiu cara, e que ainda por cima não teve muito que ver ... mas a tarde ... essa sim já terá algo que contar.


10:30 DESPERTAR NO ICÓNICO MOTEL

Com uma temperatura de 96º F (cerca de 33º C) no exterior à meia noite, num quarto fresco e em camas bastante, foi uma noite bem dormida a que tivemos no Flamingo Quality Inn Motel.

Este icónico alojamento tem uma imagem estranhamente familiar, graças a já ter servido de cenário para várias séries e filmes. As Palmeiras nos lugares certos, a piscina azul e localizada junto à zona de pequenos almoços e a arquitetura retro dos edifícios dos os quartos, fazem-nos sentir verdadeiramente num cenário.

Foi um despertar icónico ... e com muita qualidade!

0 Reality Comments: