VIAGEM DE VERÃO EM DIRETO 2016 | AMERICAN SERIES - DIA 10


21:30 O JANTAR NO FISHERMAN'S WARF

Depois de sairmos do SFMOMA, depois de fazermos algumas compras (excelentes, por sinal) nas lojas que se encontram em Downtown, e depois de voltarmos ao hotel para nos arranjarmos para o jantar, voltamos a sair e vamos diretos para o nosso jantar de hoje, em plena Fisherman's Warf.

É talvez das zonas de São Francisco mais populares com os turistas ... mas de dia. Porque de noite, a zona perde toda a carga turistica e volta a ser conquistada pelos locais. É aqui que encontramos um dos restaurantes da cadeia de São Francisco: a Boudin Bakery & Cafe.

Aqui, e porque esta é a última noite na cidade, não resistimos e pedimos um dos pratos mais característicos da cozinha local: Clam Showder em Pão de Crosta. Os sabores do habitual creme de maristco, transformam-se quando feito e servido dentro deste pão especial ... e ganham muito mais intensidade e profundidade.

Foi uma forma muito boa de nos despedirmos desta maravilhosa e muito cool cidade ... porque amanhã vamos partir para uma nova etapa da viagem ... e nós não queremos perder nada, para vos trazer aqui tudo!


19:00 O PASSEIO DE CABLE CAR

Não seria uma viagem a São Francisco completa sem fazer uma coisa que todos os turistas fazem: um passeio de Cable Car.

Os famosos Cable Cars que sobem as colinas mais íngremes (e que nós, logo no primeiro dia, tivemos a veleidade de subirmos a pé), são uma imagem de marca da cidade. Por isso, e uma vez que íamos jantar a Fisherman's Warf (onde terminam duas das três linhas de Cable Car da cidade), em vez de apanharmos um autocarro ou um trolley (mais rápidos e económicos) decidimos fazer o percurso de Cable Car.

É uma aventura divertida, entre a inclinação das colinas, as pessoas que viajam de pé empoleiradas junto à rua, e as exitações e advertências do motorista (muito atento e simpático por sinal), foi um percurso bem divertido e que, apesar de ser verdadeiramente só para turistas, valeu a pena fazermos.


17:00 O SFMOMA

Depois de voltamos de trolley novamente para downtown, dirigimo-nos ao nosso próximo destino: o MoMA de São Fancisco (ou SFMOMA, como aqui é chamado).

É o mais conhecido museu da cidade e tem razão para isso. São sete pisos de museu, com obras de arte pré-moderna, modernista, moderna e contemporânea, de fazer babar os mais aficcionados. Desde Cézanne a Richard Serra, de Picasso a Louise Bourgeois, de Warhol a Bruce Nauman, a coleção inclui tudo ... e muito bem exposta. Mais do que uma viagem no tempo, este MoMA é diferente do de Nova Iorque (de quem é subsidiário), pois organiza as suas exposições (temporárias e permanentes) de forma interpretativa e temática, e não temporal.

Sendo um dos principais museus do mundo ... obviamente que ficámos até ao fecho ... e mesmo assim tivemos de ver muita coisa a correr ... mas quando o tempo escasseia ... e se quer ver tudo ... tem de ser assim!


14:30 O CASTRO

São Francisco é uma cidade que iniciou muitas revoluções, e uma delas foi a da emancipação do movimento gay. E tudo teve como epicentro o bairro de Castro. Assim, numa visita a esta cidade, sobre o mote da minisérie "Tales of The City", não poderíamos deixar de visitar este bairro.

Com a sua Castro Street como emblema, com o seu Castro Theater como símbolo, esta zona da cidade exibe de forma natural e orgulhosa o seu papel na comunidade gay. As bandeiras gay proliferam desde os postes de iluminação pública, às portas dos estabelecimentos comerciais, as passagens de peões ganham novas cores (tornando-se numa bandeira do arco-iris) e tudo com um verdadeiro ambiente de normalidade.

A expectável exuberância deste epicentro da vida gay mundial, não se vê. O que se sente é que é um bairro orgulhosamente gay, mas normalmente residencial e preparado para os seus residentes. Nada está organizado para o turista, e tudo funciona para os seus residentes. Desde a farmácia, ao café, passando pelo supermercado de produtos biológicos, ou pela loja de revistas, tudo tem a bandeira gay ... mas tudo tem um ar bastante pacato e sereno ... apenas os seus clientes são maioritariamente gays.

Foi surpreendente que a exuberância não estivesse a ser utilizada como elemento de atração turistica ... mas ao mesmo tempo reconfortante de perceber que para se ser um símbolo não se precisa de ser estereotipado!


12:30 IKE'S PLACE

Quando saímos do nosso transporte, e porque ainda não tínhamos comedo nada hoje, fomos até ao nosso destino de almoço e antecipámos um pouco este momento.

Em plena zona de Mission e muito perto do nosso próximo destino, está uma das casas de sandes mais famosas de toda a São Francisco: o Ike's Place. Aqui as sandes são levadas a sério, e os sabores, a qualidade dos produtos e as quantidades também. Assim não hesitámos em por-nos na fila, pedir as nossas sandes e comer descansadamente, uma das sandes mais deliciosas que comemos aqui nesta American Series.

O pão é fresco, os ingredientes dos recheios também, e nós deliciámo-nos com duas sandes bem recheadas e verdadeiramente gourmet!


11:30 A PRIMEIRA VIAGEM DE TROLLEY

Depois de uma noite dormida até não conseguirmos mais, e depois de ficarmos um pouco nas calmas no quarto, decidimos que era tempo de voltamos à rua para continuarmos a explorar a cidade São Francisco.

Sendo esta uma cidade americana cheia de colinas e bastante espalhada por estas, andar a pé grandes extensões (como é habitual nas cidades americanas) não é fácil, mas o sistema de transportes é bastante organizado e, graças ao Google Maps, muito fácil de usar. Assim, e porque estamos em São Francisco, decidimos apanhar o primeiro trolley para irmos do nosso hotel para o nosso destino.

O trolley que apanhámos não é do estilo dos famosos trolleys do princípio do século, mas antes uns que circulam desde os anos 1960 e que têm muito charme, um look verdadeiramente vintage e bem conservado, e que ainda hoje servem a população residente para ir de um lado para o outro na cidade.

Assim começámos o nosso dia ... como autênticos residentes de São Francisco!

0 Reality Comments: