ROTA DOS MAHARAJAS EM DIRETO | DIA 2


04:00 Voo para Mumbai

Conforme referimos, poucas horas depois de chegarmos ao aeroporto do Dubai, voltámos a embarcar num voo da Emirates em direção ao nosso primeiro destino desta nossa Rota dos Maharajas - Mumbai.

O voo mais uma vez decorreu com um nível de serviço verdadeiramente impecável, uma pontualidade irrepreensível e uma qualidade e quantidade de espaço que faz toda a diferença.

Foi sem qualquer dificuldade que mais um voo de várias horas passou quase sem darmos conta disso.


08:30 Chegada a Mumbai

Contrariamente a todas as advertências que tínhamos tido, dos vários amigos que já tinham vindo à Índia, que iriamos demorar muito tempo com a passagem do contolo de passaportes, a chegada ao aeroporto de Mumbai foi célere, sem quaisquer perguntas ou questões, e com uma simpatia e amabilidade invulgares.

Aparte de o aeroporto de Mumbai (o novo terminal), desenhado pelos SOM (que já aqui tínhamos trazido aquando da sua inauguração), ser verdadeiramente belo e elegante, a sua funcionalidade e a simplicidade de caminhos é tão grande, que foi verdadeiramente fácil esta nossa chegada à grande metrópole indiana.

Para faclitar toda esta situação, a simpática Ayesha (amiga nossa indiana que nos esperava) estava com um grande sorriso à nossa espera, no meio de uma multidão.

Foi uma chegada verdadeiramente fácil e suave.


09:00 As Primeiras Impressões da Índia

O Aeroporto de Mumbai fica dentro da malha urbana, mas na zona Norte da cidade ... enquanto que o nosso hotel fica na muito trendy SoBo ... que é como quem diz: South Bombay (antigo nome de Mumbai).

No caminho do aeroporto até ao hotel, as primeiras impressões da Índia foram diferentes do que estávamos à espera: se por um lado o transito é desordenado, mas muito menos intenso do se imagina, por outro lado a cidade de Mumbai é muito maior do que estamos à espera.

Os edifícios altos e os bairros degradados misturam-se num contínuo que dura quilómetros, e segue ininterruptamente até à zona de Mumbai Sul, onde se situa o nosso hotel: o Abode Hotel.


11:00 O Abode Hotel

Situado em pleno bairro chique de Colaba, o Abode Hotel é um pequeno hotel boutique, com uma decoração verdadeiramente intimista e bastante cool.

Parece que aterrámos numa realidade que cruza a trendyness novaiorquina com o exotismo indiano, mas com um savoir faire verdadeiramente europeu.

Com quartos bem decorados, uma clientela jovem e sofisticada e uma simpatia verdadeira e muito asiática, este hotel foi uma verdadeira surpresa agradável depois de mais de 19 horas de viagens e aeroportos.

Estamos bem instalados e rumaos à cidade.


12:00 Hanging Gardens de Malabar Hill

Conduzidos pelo nosso simpático motorista e acompanhados pela nossa imprescindível Ayesha, rumamos ao nosso primeiro destino do dia: os Hanging Gardens de Malabar Hill.

Depois de começarmos a perceber que o trânsito que apanhámos do aeroporto para o hotel era menos do que esperávamos, por ser Domingo e bastante cedo, e de demorarmos mais de 30 minutos para fazermos um percurso de poucos quilómetros dentro da cidade, chegámos ao topo da colina de Malabar (sobranceira a toda a famosa baía de Mumbai) e passeamos entre as primeiras multidões de indianos.

A quantidade de pessoas nestes jardins deve-se a dois factos (segundo nos explicou a cada vez mais cativante Ayesha): este é o único grande espaço verde de toda a cidade de Mumbai; e por outro lado, estamos a proximar-nos da hora do almoço e é aqui que as excursões de domingo que vêm do resto do estado da Maharashtra (do qual Mumbai é a capital) fazem os seus pic nics.

Mas o melhor ainda estava para vir, quando nos aproximamos de uma monumental e suspensa varanda sobre um frondoso arvoredo e nos deparamos com uma gigantesca, impressionante e imponente cidade aos nossos pés.

Ficámos verdadeiramente com a dimensão desta metrópole de mais de 20 milhões de habitantes e com a sua importância nacional e mundial.


13.00 O Lago Banganga

Depois de nos sentirmos totalmente arrebatados pela vista sobre a cidade de Mumbai contemporânea, voltámos para o nosso carro e enfrentámos de novo o trânsito que se avolumava ainda mais, em direção a um local de referência e de grande significado para todos os indianos de Mumbai: o Lago Banganga.

Aquando do final da ocupação britânica, era proibida a aglomeração de largos grupos de indianos, com medo do regime de que estes estivessem a conspirar pela independência do país. Assim foi utilizado este, que é um dos locais mais antigos da cidade de Mumbai, onde em volta de um pequeno lago, onde já existiam quatro templos de quatro religiões diferentes, como centro dessas mesmas reuniões conspirativas pela independência.

Ora é exactamente a este local, cuja carga simbólica para a história da Índia é imensa, que rumamos e chegamos a uma zona da cidade, entre torres altas modernas, que mais parece uma aldeia de ruas estreiras e sinuosas e que nos faz mergulhar numa nova Índia popular e muito intimista.

Foi uma experiência forte ... mais ainda porque mal chegamos, encontramos um grupo de homens em horações dentro do lago. Forte, intenso e único!


14:20 O Almoço

Depois de uma experiência tão forte como a que tivemos no Lago Banganga, rummamos novamente ao trendy e muito agitado bairro de Colaba e decidimos ir almoçar a um dos locais mais icónicos e populares da Mumbai cultural clássica: o Café Mondegar.

Este café está repleto da muito intelectual e cool classe média de Mumbai. A sua principal particularidade, à parde de uma carta de pratos bastante populares e de cozinha tipicamente indiano, é a sua decoração feita pelo famoso cartoonista goês de Mário Miranda.

Este café tem nas suas paredes, a visão divertida e sarcástica, de uma sociedade urbana relativamente snob, feita nos idos anos de 1950, segundo o olhar de um indiano de origem goesa (e com raízes familiares obviamente portuguesas, conforme indica o nome), que acaba de chegar à grande cidade e a observa com um sentido crítico acutilante e mordaz.

É neste ambiente que surgem na nossa mesa três pratos que nos dão uma primeira abordagem deliciosa e leve da típica gastronomia indiana ... totalmente diferente da imagem que temos desta no Ocidente.

É um local mágico e que revela uma nova Mumbai, sofisticada, culta e com uma cultura forte e bastante interessante.


16:00 O Mercado de Colaba Road

Saídos de um almoço surpreendente, percorremos a vizinha Colaba Road e passamos por todo um mercado de rua onde tudo se vende em bancas de rua informais e que nos começa a introduzir no grande entreposto comercial da Índia que é esta cidade.

Bancas de comida e fruta mas também de bijouterias, carimbos para tecidos, caixas e caixinhas, acessórios de casa, sharis, tapetes, pacheminas e todo um conjunto de produtos que entram no nosso imaginário de Índia.

Mas não se imagine que este mercado está repleto apenas de turistas, pois também os locais se dirigem a Colaba Road para fazerem as suas compras de domingo e comprarem o que têm necessidade.

É uma tarde em que nos perdemos no meio de tanta oferta e não resistimos a toda estas novas texturas, cores e cheiros, que nos assaltam a cada passo!


18:30 Um Sunset com Vista

Depois de horas perdidos entre tanto mercado, rumamos ao vizinho e mítico hotel Taj de Mumbai.

O luxuoso, icónico e muito conhecido hotel indiano é o local ideal para acabarmos esta tarde e este longo dia. Assim entramos, rumamos ao bar e ficamos a apreciar o nosso primeiro pôr do sol indiano desta Rota dos Maharajas.

O dia já vai longo, por isso tomamos este copo de Sunset e comemos uns snacks e recolhemos ao Hotel.

O dia de hoje acabou ... mas o segundo dia promete ainda mais do que o primeiro.

Agora vamos descansar ... mas dentro de poucas horas voltamos com o nosso segundo dia de Mumbai e um programa recheado de surpresas e momentos que prometem ser memoráveis ... absolutamente a não perder!

0 Reality Comments: