ESPECIAL | ESCAPADELA BRACARENSE - DIA 2


A noite no Ibis Budget Hotel Braga Centro é garantidamente bem relaxada e passada.

Graças aos seus quartos ultra espaçosos, às suas camas hiper confortáveis e ao seu ambiente relaxado e tranquilo (os chuveiros com cromoterapia são um toque de requinte que ajudam a esse mesmo relaxamento), não temos qualquer dúvida de voltar a referir esta nossa recomendação.

Mas se no primeiro dia desta nossa Escapadela Bracarense estacionámos o carro no estacionamento e nem precisámos dele (pode-se deixar o carro no vizinho Hotel Mercure por apenas 3,50 €/Dia - preço para hóspedes do Ibis Budget Hotel) , neste segundo dia recomendamos fazer logo as malas, tomar o pequeno-almoço bufet do hotel (simples mas de qualidade) e dirigir-se para o carro.

Hoje o dia vai ser passado nas colinas que rodeiam a capital minhota.


A nossa primeira sugestão do dia é o famoso e mítico Santuário do Bom Jesus de Braga.

Mas a ida a qualquer santuário tem o seu ritual ... e este tem um ritual bastante próprio: a subida do muito barroco e monumental escadório. No entanto, e porque este seria um ritual bastante penoso, a nossa proposta é outra. Mesmo ao lado do famoso escadório existe um dos elevadores mais antigos do mundo e da europa: o Ascensor do Bom Jesus.

Sendo um dos momentos mais bonitos e mágicos de toda esta zona do Santuário do Bom Jesus, a nossa proposta passa exactamente por que se suba toda a colina do santuário por este mesmo meio. Assim não só se aproveita o passeio por entre a frondosa e luxuriante mata do Bom Jesus, como ainda se tem uma experiência pouco comum: a subida num elevador que ainda funciona pelo seu meio de locomoção original - a água.

É um dos momentos altos de toda esta visita ... e que nos vai levar a um dos pontos mais espectaculares da mesma.


É um dos mais belos locais de todo o país e um dos templos mais espetaculares de toda a região do Minho: o Santuário do Bom Jesús de Braga.

Localizado no alto de um dos montes que rodeiam a cidade, esta impressionante igreja tem as suas origens no século XIV, mas a sua forma atual remonta ao inicio do século XIX, do qual a sua arquitetura neoclássica é um perfeito exemplo disso.

Com uma imponente igreja, a maior peculiaridade este santuário está no seu interior e no seu altar mor. Foi de forma propositada e pensada que todas as imagens deste impressionante altar principal têm o tamanho natural de uma pessoa.  Esta característica não só pretende aproximar os crentes das próprias figuras sacras, mas essencialmente garante um dramatismo ainda maior aos já de si espectaculares altares litúrgicos.

Esta é uma igreja espectacular que conjuntamente com a serenidade que lá se vive dentro, fazem deste um momento obrigatório da Escapadela Bracarense.


Mas tal como dissémos, o Santuário do Bom Jesús de Braga é sinónio de Escadório. Assim há que o fazer. E se não o fizemos à subida, propomos que este seja feito à descida.

A primeira das características que logo saltam à vista é a espectacular e impressionante vista que este permite ter sobre a cidade de Braga. Mas outro aspecto importa revelar aqui: é que este (contrariamente ao que se possa pensar) não é um, mas sim 2 escadórios.

Esta imensa escadaria, está dividida em duas, sendo a primeira (a contar de cima ... uma vez que o propomos descer) dedicada às três virtudes teológicas - a Fé, a Esperança e a Caridade - a segunda dedicada aos sentidos - a Visão, a Audição, o Olfato, o Paladar e o Tato - e a terceira dedicada ao Pórtico e ao início da via sacra de capelas que vão pontuando todo o percurso. Os horizontes são largos, a vista é espectadular e a descida é obrigatória.

É uma descida rica em arte, história e contemplação ... e que nos leva de novo  até ao carro, para continuarmos esta manhã de autêntica via sacra.


Se o santuário mais espectacular é o do Bom Jesús de Braga, o maior de todos é o Santuário do Sameiro.

Muito perto do Santuário do Bom Jesús de Braga, o Santuário dedicado à Nossa Senhora do Sameiro é o segundo mais importante santuário mariano em Portugal (a seguir a Fátima). Construído nos finais do século XIX, este edifício goza também de uma vista absolutamente estonteante sobre toda a cidade de Braga. Mas se no anterior recomendamos que se deixe o carro na base dos escadórios (agora já o podemos afirmar no plural, sem parecer gralha), neste caso a nossa recomendação será subir até lá acima mas de carro ... pois aqui o interesse da subida não é tão grande (do ponto de vista turístico, claro).

Para que esta visita fique completa há também que entrar na igreja principal do santuário. O nosso destaque vai obviamente para o seu altar principal em graito branco polido (bastante rarao, pois o Granito é uma pedra bastante dura para polir, preferindo todos os scultores até então utilizar o mármore) e o seu respectivo e deslumbrante sacrário de prata.

Mas depois destas duas visitas aos principais santuários bracarenses (pois vai ver ao longo de todo o caminho da vista deste dia a indicaão nas ruas e estradas de várias outras capelas e santuáios) já deve ser altura de um exelente almoço tipicamente minhoto.




De volta ao carro, recomendamos um dos restaurantes que se situam neste monte limítrofe da cidade: o Dona Júlia.

Sendo que este restaurante já se situa fora dos limites oficiais do município de Braga (e dentro do vizinho Guimarães - Santa Cristina De Longos, Caldas Das Taipas, Guimarães), é mais perto de Braga que se situa ... e os bracarenses sentem-nos como deles ... e éo nosso local de eleição para este almoço.

Dentro de uma casa no meio do bosque, está um requintado, sofisticado e surpreendente templo da gastronomia minhota contemporânea. Com cozinha tradicional eximiamente executada, um serviço de uma disponibilidade e simpatia já raros de encontrar e uma decoração de uma elegância e um bom gosto contemporâneamente clássicos, este é talvez um dos melhores e mais surpreendentes restaurantes que conhecemos acima da cidade do Porto.

Mas prepare-se porque a comida aqui é servida à moda do Minho: em quantidades generosas e para serem degustadas com tempo e boa disposição.


Se se julga que esta é a última proposta que temos para esta Escapadela Bracarense ... desenganem-se: o nosso próximo e último destino é o famoso e premiado Estádio de Braga.

Desenhado pelo prestigiado arquiteto Eduardo souto Moura, vencedor de um dos dois Prémios Pritzker atribuídos a arquitetos Portugueses (conjuntamente com Álvaro de Siza Vieira, venceu este que é considerado o maior prémio mundial da arquitetura internacional), em dias de jogo, é possível ver o estádio e assitir a uma celebração da segunda religião praticada na cidade - um Jogo do Sporting de Braga.

Se a cidade é conhecida pelos seus santuários e pela sua secular ligação à igreja Católica, nos dias que correm a influência, presença e importância que o clube de futebol da cidade assume em toda a vida de Braga, torna-o num dos maiores ícones da cidade.

Assim não pode uma visita a Braga existir sem se visitar este edifício magistral da arauitetura contemporânea bracarense e Portuguesa que é o Estádio de Braga, e apreciar toda a sua elegância e originalidade. Se fôr em dia de jogo ... ainda melhor, pois vê-se a força que o futebol tem e o fulgor com que novos e velhos, homens e mulheres vivem a sua equipa local.


Assim terminamos esta escapadela minhota ... pois depois de um jogo de futebol (aconcelhamos mesmo a que a data desta escapadela seja escolhida de acordo com o calendário dos jogos de futebol da primeira liga) é tempo de rumar de volta a casa.

Uma coisa é verdade, este é um fim-de-semana económico e bastante diversificado. Entre os 58,00 € (preço para duas noites para pessoas no Ibis Budget Hotel Braga Centro ... o que é verdadeiramente barato) de alojamento, os 14,00 € dos quatro pequenos-almoços buffet (3,50 € por pessoa por dia por pessoa ... novamente bastante económico) e os 55,00 € de refeições que propomos (claro que este preço não incluí vinhos muito caros) mais 2,00 € para o gelado e 1,5 € para o Moscatel com Banana, temos um fim-de-semana para duas pessoas pela módica quantia de 195,50 € ... o que é verdadeiramente barato, nos dias que correm. Principalmente porque não estamos a propôr um fim-se-semana a poupar ou a privar-se de o que quer que seja.

Nestas contas só não entra a viagem (pois depende de onde forem os nossos leitores) e as compras da tarde de Sábado ... mas aí é uma questão que cada um tem de adaptar ao seu próprio orçamento ... e se este não houver ... é um bom passeio também!

Aqui terminamos esta nossa sugestão de fim-de-semana de inverno ... mas amanhã cá estaremos de volta com mais novidades para o vosso (e o o nosso) bem e estilo diário!

0 Reality Comments: