VIAGEM DE VERÃO EM DIRETO 2016 | AMERICAN SERIES - DIA 6


21:30 O NOSSO AUTOCARRO

Chegamos finalmente a um dos alojamentos desta viagem que mais curiosidade nos causava: o Autocarro chamado Nellie.

Estacionado na entrada da garagem dos nossos anfitriões, este antigo autocarro escolar daqui do Alaska, foi transformado pela mestria e bom gosto dos seus proprietários numa autêntica casa sobre rodas, com todos os confortos que se podem esperar nos tempos que correm ... mas sem deixar de ser um autocarro, com toda a espacialidade que lhe é característica.

É aqui que vamos pernoitar hoje ... e é aqui que vamos arranjar e cozinhar o peixe que pescámos ontem no rio em Fairbanks (e que congelámos na casa de Fairbanks e veio no congelador do combóio, graças à simpatia do senhor do bar). Por isso por hoje encerramos este diário de viagem, mas amanhã já sabem que haverão mais aventuras para relatar ... e ainda em direto aqui do Alaska ... a terra da nossa série de eleição "Até ao Fim do Mundo" ... e sim, esta é uma terra distante, mas tão bela que vale a pena vir "Até ao Fim do Mundo"!


20:15 A CIDADE DE ANCHORAGE

12 horas depois de partirmos de Fairbanks chegamos à maior cidade do Alaska: Anchorage.

Não sendo a sua capital estadual, esta é sem dúvida alguma o seu centro financeiro, populacional e de negócios. Com um urbanismo bastante disperso, a cidade surpreende, quem vem de Fairbanks, pela sua modernidade. Não existindo torres, pois tudo parece plano, a arquitetura dos edifícios é bastante mais qualificada e menos informal do que em Fairbanks.

Temos a ideia que chegámos a uma cidade americana de facto ... mas tudo isto iremos confirmar amanhã nos nossos passeios, porque agora é apanhar um táxi e irmos para o nosso autocarro.


16:30 A PAISAGEM DO SUL

Já depois de almoço o Denali Star sai do território do parque natural (que entrou pouco depois de sair de Fairbanks) e começa a dirigir-se mais para sul ... e aqui a paisagem vai mudar significativamente.

De uma paisagem dominada pelos grandes espaços, pelos penhascos e pelas montanhas de dimensões impressionantes passamos a uma paisagem de uma planura infindável, e pontuada permanentemente por lagos (formados por água que não é absorvida pelo solo, por causa de gelo profundo em toda esta região, segundo nos explica o guia). Lagos grandes, pequenos, enormes ou minusculos ... há um pouco de tudo ... e o mais impressionante é que esta paisagem se mantém durante quilómetros e horas.

Segundo nos informou o guia, que estejam registados, existem mais de 10.000.000 de lagos nesta região sul do monte Denali. É verdadeiramente impressionante!


13:45 O ALMOÇO A BORDO

Decidimos à hora do almoço, poupar as nossas conpras do dia anterior no Wallmart e rumar à carruagem restaurante e provar algumas das sugestões que têm no menu.

A nossa escolha recaiu sobre um hamburguer de Angus e num wrap de Frango. Para nossa grande surpresa, depois de fazermos o pedido ao empregado, é o chef que nos traz os dois pratos à mesa e, quando os vemos, percebemos que estamos perante um serviço de restaurante, verdadeiramente cuidado. Mas a grande surpresa está na primeida dentada e nos sabores absolutamente frescos e requintados que nos invadem o palato.

Nunca uma refeição a bordo de um combóio nos tinha sabido tão bem, nem surpreendido tanto ... por isso deixamos aqui a dica: vale a pena almoçar a bordo do Denali Star.


10:45 AS PRIMEIRAS PAISAGENS

Depois de sair da zona da cidade de Fairbanks, a paisagem natural começa a tomar conta dos nossos sentidos e toda uma transformação de escala se dá. As montanhas tornam-se gigantescas, as perspetivas infindáveis e os bosques tornam-se menos densos, dando lugar a grandes paisagens naturais e grandiosas e o rio Tanara torna-se o nosso guia e companheiro, com a sua água cinzenta, originária dos altos glaciares.

Ao longo do percurso um animador ao microfone vai explicando o que se pode ver à esquerda e à direita, e tudo vai sucedendo a um ritmo muito maior do que se está à espera: tipos de árvores que apenas existem no Alaska, inúmeras e altas montanhas, pequenas povoações, espetaculares pontes metálicas centenárias (que algumas atravessam precipícios impressionantes), penhascos gigantescos, mesmo à beira da linha que circulamos (que deixam os menos aventureiros, um pouco desconfortáveis) e um conjunto de animais (alguns que vemos outros que não) que vão passando em frente à nossa janela - alces, castores e patos, gansos e cisnes selvagens são os mais comuns.

É uma viagem de 12 horas a que temos pela frente, mas as paisagens, a animação constante do guia de cada carruagem e o conforto e diferentes salas e carruagens que podemos circular, vão fazer desta uma viagem bastante agradável.


08:15 O MÍTICO COMBÓIO DENALI STAR

Há combóios míticos e o que vamos apanhar hoje em Fairbanks é um deles: o Denali Star.

Este combóio da Alaska RailRoad, une as duas pricipais cidades do estado, por um espectacular percurso que atravessa o maior parque natural do estado - o Denali. Este combóio circula desde 1947 entre as duas cidades com transporte de passageiros, mas está este ano a comemorar os seus 100 anos de existência de linha - tendo esta sido inaugurada com um primeiro combóio de mercadrias em 1916. Com um serviço de primeira classe, com um embarque que se assemelha a um avião (com check in de malas), hospedeiras a indicarem-nos os caminhos, e uma carruagem bar e restaurante com todo o tipo de snacks e refeições (serve desde o pequeno almoço ao almoço e ao jantar), este é um combóio a não perder.

Como bónus, este ano as caruagens originais dos anos 1950's, voltaram a ser postas em circulação, totalmente recuperadas, de acrodo com o seu estilo original, mas com o nível de segurança e conforto reforçado para os padrões atuais. Assim cada passageiro tem uma poltrona totalmente reclinável (com espaço equivalente às melhores executivas dos aviões), janelas generosas que nos deixam apreciar a vista e um deck de observação com cúpula de vidro, cuja capacidade de observação à volta é incrível.

Foi nestas carruagens que tivemos a sorte de ir ... e assim embarcámos num dos combóios míticos de planeta.


07:30 A PARTIDA DA MANSÃO DE MADEIRA

Foi bem de manhã, ainda era de madrugada, que acordámos e nos despachámos para deixar a Casa de Madeira no meio dos bosques, nos arredores de Fairbanks.

A casa estava ainda silenciosa, a luz da "noite de verão" do Alaska ainda deixava a grande casa na penumbra, e tivemos um momento para apreciar de facto todo o espaço para nós. A espetacularidade da casa, a sua decoração bem pensada, a sua localização no meio dos bosques e o sossego que se sente, fizeram deste momento de despedida, algo bastante especial.

Não fora estarmos com pressa para partirmos, teríamos, sem qualquer dúvida, ficado mais uns momentos a apreciar o sossego, a calma e o silêncio deste cenário espetacular. Mas o nosso taxi já estava à espera, por isso, pegámos nas malas, enfiámos na mala do carro e rumámos à estação de combóio ... porque o nosso próximo destino espera-nos ... e um dia com cenários espetaculares também.

0 Reality Comments: